segunda-feira, 27 de julho de 2009

Marabá
Professores ameaçam nova greve

Tudo leva a crer que as aulas da rede pública municipal vão ser paralisadas logo no reinício do segundo semestre letivo. O Sindicato dos Trabalhadores na Educação Pública do Pará (Sintepp) ameaça fazer nova greve em Marabá.

A informação foi repassada pelo coordenador geral da subsede da entidade em Marabá, Wendel Lima Bezerra. Segundo ele, desde o dia 21 de maio, quando se encerrou a última greve da categoria, a prefeitura não cumpriu o que prometeu na época.

O sindicalista denuncia que naquela ocasião a prefeitura se colocou à disposição para negociar as pautas da categoria (sobretudo o reajuste salarial), e embora tenham sido enviados vários ofícios ao Executivo Municipal, até o momento o prefeito Maurino Magalhães não se posicionou.

Wendel denuncia que nem mesmo o decreto criando a mesa permanente de negociação foi assinado até agora pelo prefeito, de modo que a categoria entende que as promessas feitas na ocasião foram apenas para pôr um fim à greve, que já se estendia havia sete dias.

Por conta disso, logo na primeira semana de agosto o Sintepp vai enviar ofício às escolas convocando os professores para uma assembleia que deve definir a realização de uma nova greve.

Wendel Bezerra diz que o prefeito já foi comunicado oficialmente de que as promessas feitas pela sua administração não foram cumpridas e que provavelmente as aulas em agosto serão prejudicadas.

“Portanto se houver greve por conta do descumprimento desse acordo, o único culpado por isso vai ser o prefeito municipal, porque foi informado e não tomou medida nenhuma. Isso só prova o que a gente vinha denunciando quando estávamos em greve, que o prefeito não tinha nenhuma preocupação com a educação”, denuncia.

Ainda de acordo com ele, em Marabá um professor de nível médio recebe apenas R$ 528,00, enquanto qualquer outro servidor municipal também de nível médio tem um salário maior que este. Inclusive, o Sintepp já acionou o Ministério Público sobre essa disparidade.

O coordenador local do Sintepp disse que o sindicato ainda não definiu a data para realização da assembleia porque está encontrando dificuldade para conseguir um auditório nas escolas municipais. Isso é outra reclamação da entidade.

De acordo com ele, o único auditório ao qual o Sintepp tem acesso hoje é da Universidade Federal do Pará (UFPA), porque os das escolas municipais estão constantemente alugados.

Prefeitura
Por telefone o secretário municipal de Administração, Glênio Benvindo de Oliveira, disse que o município está planejando as ações que tomará neste sentido e foi marcada uma reunião com o sindicato na semana passada, mas nenhum representante da entidade compareceu.

O secretário disse também que é muito estranho o Sintepp anunciar uma greve neste momento em que a prefeitura está construindo uma proposta para a categoria.
Ainda de acordo com Glênio Benvindo, nesta terça-feira deve acontecer reunião entre as secretarias municipais de Planejamento e Educação. Ele adiantou também que a defasagem salarial será corrigida, mas é necessário diálogo e prazo para fazer esse estudo.

3 comentários:

Leo disse...

Caro, Chagas, me permita usar as tuas palavras: Mas não era isso o que eles [os professores] queriam?

chagasfilhodemaraba disse...

É verdade. É triste, mas é verdade.

ademar de alencar de santos disse...

Meu nobre amigo Chagas filho,gostária de saber se vc tem alguma opinião formada sobre a pec dos vereadores, em que vai aumentar 7.357 mil veriadores no Brasil,e em Marabá cria se oito novas vagas. A pec esta prevista para ser votada nesta quarta feira dia 02/09/2009,esta previsto em torno de 4000 mil suplentes de vereadores em Brasilia neste dia 02/09/, os mesmo vão acompanhar de perto, e ao mesma tempo fazer pressão junto aos deputados dos seus respectivos estados, um abraço do amigo, ADEMAR DE ALENCAR.